MotorDream

Testes

Teste: Ford Ka 1.0 Freestyle - Aritmética de mercado

03/06/2019 07:02  - Fotos: Eduardo Rocha
Envie por email

Teste: Ford Ka 1.0 Freestyle - Aritmética de mercado

Ford quer ganhar vendas ao somar segmento de compactos aventureiros com motorização 1.0

 

por Eduardo Rocha
Auto Press

 

Ford Ka tem mantido a média de 8 mil emplacamentos nestes cinco primeiros meses do ano.Mas a montadora norte-americana acredita que seu modelo compacto tem potencial  pra mais. Para ganhar volume, a fabricante resolveu criar uma versão 1.0 com a roupagem Freestyle. A matemática é simples: a motorização 1.0 responde por 75% dos emplacamentos enquanto a versão aventureira reponde por 40% das vendas com motor 1.5 litro. Se fosse uma combinação perfeita, as vendas do Ka cresceriam nada menos que 30%. Embora a possibilidade de agregar vendas à gama seja previsível, o número no deve ser tão dilatado. Principalmente por conta do preço do modelo, que vai sair das concessionárias por R$ 56.690.

 

 

É um valor salgado para um 1.0, mas a Ford encheu o Ka Freestyle de bons argumentos. A versão chega com o mesmíssimo conteúdo da versão com motor 1.5, que é bastante tecnológica e refinada. Além das mudanças no visual, o Ka FreeStyle recebeu diversos reforços para encarar a proposta de crossover. A Ford tratou também de enrijecer a estrutura, com reforços no monobloco, e introduziu diversas mudanças na suspensão, com aumento da bitola em 3 cm, adoção de uma barra estabilizadora de maior calibre, amortecedores e molas 30% mais resistentes na traseira e amortecedor com limitador hidráulico na frente. Passou a usar também rodas e pneus de perfil maior, 185/60 R15.

 

 

Na configuração FreeStyle, o Ka perde completamente o ar de carro de entrada e passa a receber um tratamento mais cuidado, com painéis internos em preto e marrom e bancos com padrão mais esportivo. A central multimídia, de série, monitorada por uma tela touch que se projeta no console central. O sistema é da terceira geração do Sync 3, mas não traz GPS interno Em compensação, tem recursos de comandos de voz e conexão com Android Auto e Apple CarPlay e pode projetar Waze ou Google Maps.

 

 

Uma perda em relação ao Freestyle 1.5 é a perda dos airbags laterais e de cortina e da câmara de ré. Ficaram o sensor traseiro, o controle de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, direção elétrica progressiva com sistema que reduz a transferência de torque para o volante e controla desvios provocados por ventos laterais ou desníveis no piso.

 

EcoSport FreeStyle se renova

 

 

Durante a apresentação do novo Ka 1.0 FreeStyle, a Ford mostrou a linha 2020 do EcoSport FreeStyle, que também recebeu pequena mudanças. Os faróis ganharam projetor máscara negra, mas perderam as luzes diurnas em led. A grade frontal recebeu um acabamento preto brilhante, assim como a carcaça dos retrovisores. As rodas de liga leve agora são usinadas e têm a cor cinza e o modelo passa a dispôr de pintura preta no teto, um opcional de R$ 1.400. O EcoSport FreeStyle 1.5 manual chega por R$ 87.290 e o automático por R$ 93.290.

 

Ponto a ponto

 

Desempenho – O motor 1.0 litro de 80/85 cv não sofre para empurrar o Ka FreeStyle. A pequena inércia do propulsor de três cilindros e o baixo peso do veículo – tem 1.066 kg, 32 kg a mais que o Ka 1.0 SE – ajudam na tarefa, mas o mérito é mesmo do propulsor com duplo comando de válvulas variáveis na admissão e no escape. Obviamente, não permite um uso mais esportivo como a versão com motor mais forte, mas apresenta um ganho de velocidade progressivo e com algum vigor. Nota 8.

 

Estabilidade – A Ford adotou a estrutura e suspensão reengenheirada do Ka Freestyle 1.5 e aplicou no modelo 1.0 para encarar melhor pisos acidentados. A altura livre do carro subiu em 18 mm e chega agora a 18,8 cm. Obviamente, conforto e estabilidade andam em sentidos opostos, mas o Ka Freestyle manteve um bom compromisso com as duas demandas. Nota 9.

 

Interatividade – O Ka FreeStyle é bem funcional. O sistema multimídia o Sync 3 perde alguns recursos em relação ao modelo usado em carros mais caros – tanto que a Ford a define como 2.5 –, mas é bem funcional. A tela touch de 7 polegadas, instalada no alto do console frontal. O crossover ganhou também volante multifuncional para comandar a central multimídia e o controle de cruzeiro. Nota 8.

 

 

Consumo – O InMetro ainda não publicou os índices oficiais para a versão, esta motorização na versão SE obteve notas A na categoria e B no geral. O consumo é de 9,2/13,4 km/l na cidade e 10,7/15,5 km/l na estrada, com etanol/gasolina. A média ponderada é de 13,9 km/h. Nota 9. 

 

Conforto – A suspensão mais rígida tira um pouco do conforto mas não a ponto de incomodar os ocupantes. Os bancos são ergonômicos e o habitáculo é bem silencioso. Ganhou vidros dianteiros acústicos e passou por diversos ajustes para impedir que os ruídos de rodagem entrassem no habitáculo. Nota 8.

 

Tecnologia – Com esta versão, a Ford elevou o nível de seu modelo de entrada, com controles de estabilidade e tração, auxílio para partida em rampa, sistema multimídia eficiente, sensor de estacionamento traseiro e sistema isofix, ofertas incomuns entre modelos 1.0. Nota 8.

 

Habitalidade – A boa altura interna dá uma sensação de espaço no habitáculo. Mas o entre-eixo não é dos maiores – tem 2,49 metros –, e a área para joelhos, ombros e cabeça é apenas adequada para quatro adultos. O porta-malas, de 257 litros, é modesto. Nota 7.

 

Acabamento – A nova versão traz uma significativa melhora tanto no aspecto quanto nos materiais empregados no acabamento interno. A combinação de marrom e preto no revestimento fica elegante. A tela elevada no meio do painel dá um toque tecnológico ao interior. O revestimento dos bancos, que mistura tecido e couro, dá certa classe ao carro. Nota 8. 

 

Design – Os adereços do FreeStyle emprestam um ar bem estiloso ao Ka, mas linhas redondas do compacto atenuam qualquer traço de agressividade. A moldura em plástico preto que contorna toda a carroceria empresta um ar bem robusto ao carrinho. Nota 9.

 

 

Custo/benefício – A Ford lançou recheou o seu compacto de entrada, mas deixou de fora itens importantes, como airbags laterais e de cortina e câmera de ré. O Ka Freestyle 1.0 não tem nenhum concorrente direto, com visual aventureiro e motor 1.0, mas o preço de R$ 56.690 o deixa alinhado com modelos de motorização maior, o que é desvantajoso para ele. Nota 6.

 

Total – O Ford Ka FreeStyle somou 80 pontos de 100 possíveis.

 

Primeiras Impressões


Mudança de status

 

Salvador/Bahia – A Ford se valeu do bom desempenho de seu motor 1.0 para criar uma versão mais equipada – e um pouco mais pesada – de seu modelo de entrada. Para ser mais preciso, o Ka FreeStyle 1.0 tem 1.066 kg para 85 cv com etanol, o que cria uma aceitável relação peso/potência de 12,5 kg/cv. Mas,  melhor que isso é o comportamento do motor Dragon 1.0 de três cilindros. O duplo comando de válvulas variável faz com que o boa parte do torque esteja presente em quase toda a faixa útil de rotação. No caso de ser necessário mudar a marcha, o câmbio manual se mostrou bem agradável, com engates curtos e  macios.

 

Mas a arma que o Ka Freestyle tem para ganhar vendas é mesmo a estética caprichada, com diversos detalhes que buscam dar um ar mais robusto ao modelo. O interior foi valorizado pela combinação de preto e marrom nos revestimentos e na forração dos bancos, parcialmente em couro, e pelo teto na cor preta. O destaque vai para a tela touch de 7 polegadas que se projeta do console central, por onde se acessa a central multimídia, bastante funcional.

 

Ficha técnica


Ford Ka FreeStyle

 

Motor: Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 997 cm³, três cilindros em linha, duplo comando variável na admissão e no escape no cabeçote e quatro válvulas por cilindro. Acelerador eletrônico e injeção eletrônica multiponto sequencial.

Transmissão: Câmbio manual de cinco marchas à frente e uma a ré. Tração dianteira.

Potência: 80/85cv com gasolina/etanol a 6.500 rpm.

Torque: 10,2 kgfm a 3.500 rpm com gasolina e 10,7 kgfm com etanol a 4.500 mil rpm.

Diâmetro e curso: 71,9 mm X 81,8 mm. Taxa de compressão: 12:1.

Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Traseira semi-independente por eixo de torção, molas helicoidais e amortecedores hidráulicos. Controle de estabilidade de série.

Pneus: 185/60 R15.

Freios: Discos ventilados na frente e tambores atrás. ABS com EBD com assistência de frenagem e de partida em rampa.

Carroceria: Hatch em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 3,89 metros de comprimento, 1,70 m de largura, 1,57 m de altura e 2,49 m de entre-eixos. Oferece airbags frontais, laterais e de cortina de série.

Peso: 1.066 kg.

Capacidade do porta-malas: 257 litros.

Tanque de combustível: 51,6 litros.

Produção: Camaçari, Bahia, Brasil.

Lançamento no Brasil: 2019.

Itens de série: Ar-condicionado, direção elétrica, vidros e travas elétricas com controle remoto, chave canivete, airbags frontais, freios ABS com EBD, abertura elétrica do porta-malas, ajuste de altura da coluna de direção, sistema multimídia Sync 2.5 com conexão Bluetooth, tela flutuante de 7 polegadas, rodas de liga leve com 15 polegadas, faróis de neblina dianteiros, controle de estabilidade e tração, auxílio de partida em rampa, banco parcialmente revestidos em couro, rack no teto, sensor de estacionamento traseiro e câmara de ré.

Preço: R$ 56.690.

 

 

TRÂNSITO LIVRE

todos

Comentários

Não há comentários para este artigo.

Para postar comentários é necessário ser cadastrado no nosso site. Deseja se cadastrar gratuitamente?

Motor Dream
MotorDream - Rua Barão do Flamengo, 32 - 5º Andar - Flamengo
Rio de Janeiro - RJ - Cep: 22220-080
Telefone: (21) 2286-0020 - Fax: (21) 2286-1555

Copyright © 2019 - Todos os direitos reservados.
GEO: -22.932985, -43.176320
Webroom Soluções Interativas